#023 Por que o mundo é verde?

Reproduzir

Alô, alô! Você já parou para pensar por que o mundo é verde? Há mais explicações por trás desta resposta do que você imagina. Descubra como um estudo científico no Alasca mudou a forma como entendemos o mundo e nos ajudou a compreender um pouco mais sobre esta pergunta.

Neste episódio Arnoni, CarameloGollum e Marx recebem Marília Freitas, para discutir um pouco sobre o delicado equilíbrio ambiental existente entre predadores e presas e como esta interação ajuda a regular o ambiente

Comentários, críticas, sugestões? Email: contato@alociencia.com.br

facebook.com/alociencia | twitter.com/alociencia | instagram.com/alociencia | youtube.com/alociencia

Não esqueça de também enviar seu áudio para participar do nosso programa: Whatsapp/Telegram: (11) 94887-0901

 

Quer contribuir e ajudar nosso projeto a crescer?

Apoia-se: https://apoia.se/alociencia

Patreon : https://www.patreon.com/alociencia

 

Referências deste programa e materiais úteis:

 

  1. Por que o mundo é verde?
  2. Some Animals Are More Equal than Others: Keystone Species and Trophic Cascades
  3. James Estes (UC Santa Cruz) 3: Apex Predators Around the World
  4. Como lobos mudam os rios
  5. Hairston, N.G.; Smith, F.E. and Slobodkin, L.B. 1960. Community structure, population control and competition. American Naturalist 94: 421-425
  6. Paine RT. 1966. Food web complexity and species diversity. The American Naturalist. 100: 65-75.
  7. Paine Robert T. Vadas Robert L. , (1969), THE EFFECTS OF GRAZING BY SEA URCHINS, STRONGYLOCENTROTUS SPP., ON BENTHIC ALGAL POPULATIONS, Limnology and Oceanography, 14, doi: 10.4319/lo.1969.14.5.0710.
  8. Terborgh, J., L. Lopez, P. Nuñez V., M. Rao, G. Shahabuddin, G. Orihuela, M. Riveros, R. Ascanio, G. H. Adler, T. D. Lambert and L. Balbas. 2001. Ecological Meltdown in predator-free forest fragments. Science 294: 1923-1926.
  9. William J. Ripple, James A. Estes, Robert L. Beschta, Christopher C. Wilmers, Euan G. Ritchie, Mark Hebblewhite, Joel Berger, Bodil Elmhagen, Mike Letnic, Michael P. Nelson, Oswald J. Schmitz, Douglas W. Smith, Arian D. Wallach, Aaron J. Wirsing. 2014. Status and Ecological Effects of the World’s Largest Carnivores. Science 343:
  10. James A. Estes, John Terborgh, Justin S. Brashares, Mary E. Power, Joel Berger5, William J. Bond, Stephen R. Carpenter, Timothy E. Essington, Robert D. Holt, Jeremy B. C. Jackson, Robert J. Marquis, Lauri Oksanen, Tarja Oksanen, Robert T. Paine, Ellen K. Pikitch, William J. Ripple, Stuart A. Sandin, Marten Scheffer, Thomas W. Schoener, Jonathan B. Shurin, Anthony R. E. Sinclair, Michael E. Soulé, Risto Virtanen, David A. Wardle. 2011. Trophic Downgrading of Planet Earth. Pp.301-306
Dicas Culturais
Arnoni: Veja as câmeras da Estação Espacial Internacional:  [Link ao vivo] | [Aqui em HD]
Caramelo: Dear white people (Netflix, 2017) | Visite Floripa
Marx: Busquem livros que te façam bem. 🙂 | Razões científicas para ler mais do que lemos | iBiology
Marilia:
  • Vídeo: Why is biodiversity so important? – Kim Preshoff |
  • Livros: A longa marcha dos grilos canibais, e outras crônicas sobre a vida no planeta Terra (Fernando Reinach, 2010) | Diferentes, não desiguais. A questão de gênero na escola (Beatriz Lins e Bernardo Machado e Michele Escoura, 2016)
  • Álbuns: Convoque seu Buda (2014) e Espiral de Ilusão (2017) do Criolo

Informações

Agora você pode encontrar nossos episódios também no Youtube! Se inscreva no nosso canal: Youtube – Alô, Ciência?

Agradecimentos

Marília Freitas pela presença, equipe de Audiovisual do IB-USP pelo suporte técnico e nossas colaboradoras: Adauto Furlanetti, Alessandra Lupi, Aline Macedo, Bruno Budin, Enia Trovó, Felipe Arnoni, Henrique Kurosaki, Jeanne Ferreira, Kyoshi Beraldo, Leonardo Capeleto de Andrade, Marília Freitas, Masashi Inoue, Mayra Sato, Renata Araújo e Rodrigo Taira.